Era um dia como outro qualquer nos laboratórios da USP. Estudantes e professores analisavam amostras de sangue de pessoas que participavam dos testes para uma nova vacina. Tudo estava saindo conforme o planejado. A fase de testes em roedores foi um sucesso, deixando todos animados com essa nova descoberta, que poderia, enfim, dar uma nova esperança para portadores do HIV. Enfim, a humanidade teria a cura da AIDS.

Alguns dias após as primeiras doses serem administradas, todas as pessoas que receberam a nova vacina adoeceram. Começou com uma febre leve, que logo evoluiu para uma temperatura corporal tão elevada que causava alucinações. Dores lancinantes nas articulações, vômito recorrente, hemorragia interna, coma e morte.

Assim que o primeiro paciente faleceu, os testes da vacina foram encerrados e começaram as autópsias para analisar o que estava acontecendo, já que os testes em animais haviam sido promissores. O pânico real da equipe de cientistas começou quando o primeiro falecido voltou à vida. Ele não era mais uma pessoa. Abriu os olhos e começou a se movimentar aos poucos, chocando todos os legistas e estudiosos presentes.

Uma das alunas aproximou-se para verificar o pulso do paciente, mas não teve tempo de se espantar por não sentir nada sob sua pele. O morto a encarou, com os olhos revirando nas órbitas, e segurou seu braço, puxando-a e mordendo ferozmente sua jugular. A pobre moça caiu morta quase que imediatamente. Seu algoz logo levantou-se, com sangue e pedaços de pele e músculo caindo de seus lábios, e avançou em direção à próxima vítima. As pessoas começaram a correr, desesperadas. Não sabiam o que estava acontecendo, mas não ficariam ali para descobrir.

Em poucos minutos, alguns retardatários na fuga viram a aluna levantar-se, e fizeram menção de ir até ela, mas notaram algo anormal em sua forma trôpega de se mover. Quando ouviram um som gutural saindo de sua garganta rasgada, perceberam que ela não era mais a doce estudante que sonhava em salvar vidas com suas pesquisas. Ela agora era uma fera, como a que tinha causado sua morte.

Depois do episódio, a vida não seria mais a mesma em todo o país, a infecção se espalhou exponencialmente por todos os estados. A pedido da OMS, as fronteiras foram fechadas por imposição da ONU. A quarentena tinha por objetivo entender o que estava acontecendo, para que se pudesse trabalhar no desenvolvimento de uma cura, além de estudar uma forma de resgatar os sobreviventes.

Venha conhecer histórias de vidas perdidas e de pessoas desesperadas, tentando salvar seus entes queridos da transformação monstruosa, criada pelo próprio ser humano.

 

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Deixe um comentário: