Category

Lançamentos

Lançamento: “Kodomo”

Por Lançamentos Sem comentários

A imigração japonesa no Brasil é datada oficialmente de 1908, a bordo do navio Kasato Maru, centenas de imigrantes cruzaram o oceano e aportaram em terras brasileiras.

Trouxeram consigo uma porção de histórias que contaram para as suas crianças, tais como: a fábula dos bolinhos de arroz, a história do ardiloso Tanuki, o conto da princesa Kaguya, entre muitas outras lendas.

Através da antologia Kodomo: Lendas Infantis Japonesas trazemos essas histórias para as crianças brasileiras.

Há muitas lendas no folclore japonês, mas essa antologia é formada apenas por histórias inspiradas nas lendas infantis.

 

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Contos estranhos”

Por Lançamentos Sem comentários

A história é um relato, em sua maior parte falso, de eventos, em sua maior parte sem importância, que são provocados por governantes, em sua maior parte canalhas, e soldados, em sua maior parte idiotas”.

Ambrose Bierce (1842 – desaparecido em 1914)

Comentários satíricos, memórias sobre a agonia da guerra e histórias sobrenaturais existem na literatura desde o surgimento da escrita, e provavelmente em todas as culturas. Do século XIX até os dias de hoje, por exemplo, é possível atestar a popularidade de tais gêneros através do enorme apelo que possuem junto ao mercado editorial (livros de ficção e crônicas jornalísticas) e à indústria cinematográfica. No entanto, e até de forma irônica, poucos são os escritores criativos destas categorias que permanecem populares no cânone ocidental, em especial no horror. Neste cenário, destacam-se as narrativas curtas de Edgar Allan Poe e H. P. Lovecraft, geralmente estudadas como referência de estilo e de enredo para novas obras nos cursos de literatura.

Dentre os autores considerados ícones da literatura de guerra, horror, poesia ácida e sátira social, Ambrose Gwinnet Bierce, jornalista, poeta, contista, romancista, fabulista e mestre da escrita, frequentemente é pouco lembrado.

Como autor de sátiras, conquistou o apelido de Bitter Bierce (Amargo Bierce), em razão de não poupar absolutamente ninguém de suas críticas mordazes. Por outro lado, fomentou jovens talentos, como Jack London, motivado pelo seu feroz ideal de perfeição na escrita. Como autor de histórias de guerra, foi o único que realmente lutou como soldado na linha de frente da Guerra Civil dos Estados Unidos. Na literatura de horror, invocou suas memórias da época do campo de batalha, adornadas com toques metafísicos e sobrenaturais, a fim de servirem como pano de fundo para a “atração à morte em suas formas mais bizarras”, semelhante ao estilo de Poe, além de evidenciar sua afeição pelas histórias de fantasmas narradas “ao redor da fogueira”.

Mestre no estilo irônico do “grotesco”, superava até mesmo Poe, na mente de muitos leitores, como “o mais controverso dos humoristas controversos”. H. P. Lovecraft, o autor mais proeminente do macabro na primeira metade do século passado, descreveu o trabalho de Bierce como “sombrio e selvagem”, mas outros críticos discordam, citando a “personalidade neutra e estranhamente sociável” de suas narrativas, o que tornava o horror ainda mais intenso.

De fato, ao longo dos séculos XX e XXI, inúmeros contos, romances, filmes e séries de televisão obtiveram sucesso a partir dos modelos desenvolvidos por Bierce. Acredita-se que seus contos “Haita, o pastor” e “Um habitante de Carcosa” influenciaram o escritor de ficção weird Robert W. Chambers no desenvolvimento de “O rei de amarelo”. Além disso, sua obra recebeu adaptações em diversas mídias. “A coisa maldita” foi adaptada, em 2006, na série de televisão “Mestres do horror”, num episódio dirigido por Tobe Hooper, o lendário diretor de O massacre da serra elétrica Uma ocorrência na ponte de Owl Creek , seu conto mais célebre, foi adaptado em, pelo menos, três filmes, um episódio de Além da imaginação , outro de Alfred Hitchcock apresenta , e em diversos programas de rádio da emissora CBS. Em 2005, Kurt Vonnegut, autor do clássico romance Matadouro 5 , considerou Owl Creek o “melhor conto da literatura americana”.

No fim da vida, aos 71 anos, Ambrose Bierce escreveu a história mais interessante de todas ao desaparecer da face da Terra durante uma aventura no México, que se encontrava no meio da revolução. Alguns acreditam que tenha se alistado no exército de Pancho Villa, e especulam até mesmo a hipótese de o escritor ter sido fuzilado sob ordens do líder mexicano, em virtude de seu estilo sincero e implacável.

O próprio Bierce, inclusive, é personagem em mais de cinquenta romances, contos, filmes, séries televisivas, peças teatrais e histórias em quadrinhos. Aparece em obras de escritores tão famosos como Ray Bradbury, Carlos Fuentes e Winston Groom. Este último, aliás, utiliza Bierce como personagem em seu romance “El Paso”, o primeiro desde a publicação de sua obra mais famosa: Forrest Gump . Nele, Bierce é executado pelo próprio Villa. Don Swain escreve sobre a vida do escritor no romance de ficção histórica The assassination of Ambrose Bierce: a love story , de 2015.

Contos estranhos , de Ambrose Bierce, é uma coletânea de trinta narrativas curtas do autor, algumas inéditas no Brasil, traduzidas exclusivamente, e que abrangem todo o período de sua carreira literária. Na obra, o leitor encontrará desde seus contos mais famosos, como os já citados Uma ocorrência na ponte de Owl Creek Um habitante de Carcosa A coisa maldita , passando por trabalhos relativamente conhecidos ou praticamente ignorados pelos brasileiros: Chickamauga, Óleo de cão, O funeral de John Mortonson, Um cavaleiro no céu, A coisa em Nolan, Os olhos da pantera , e muitos outros. Histórias sobre desaparecimentos inexplicáveis, aparições fantasmagóricas, licantropia, execuções militares, muitas das quais passadas na Guerra da Secessão, e que demonstram todo o poder de concisão de um dos grandes nomes da literatura dos Estados Unidos.

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Visceral”

Por Lançamentos Sem comentários

Tem algo mágico no ato de escrever poemas e compartilhar poesia: ela te conecta. Ela te faz sentir. Ela revira suas vísceras, se moldando a partir de tudo que você viu, ouviu e sentiu. Das histórias com as quais você cruzou. E depois vai até o seu âmago, seu cerne. Ela te despe e te deixa ali. Nu e frágil. E ainda assim, ansiando por mais…

E por estar nu e frágil, te trago apenas eu, e te deixo com este livro. Ele é uma das partes mais valiosas de mim. Eu a guardei por muito tempo na gaveta do meu peito, e agora você decide o que fazer com ela.

Pense bem.

Pense com amor, por favor.

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Colônia dos esquecidos”

Por Lançamentos Sem comentários

Existe um Lugar Fora do Tempo, onde é possível enxergar muito dos acontecimentos deste mundo através dos três grandes espelhos. Nem todos que chegam até lá podem adentrar ao Observatório, e mesmo aqueles que podem, por vezes encontram respostas demais. Para encarar os espelhos, é necessário deixar a curiosidade de lado e estar pronto para abraçar a verdade.

Mais importante do que a busca por respostas nos espelhos, é a busca por respostas interiores. O que, afinal, nos levaria à Colônia dos Esquecidos?

O mundo é um lugar cheio de mistérios. Ao longo da vida, estamos todos fadados a nos deparar com alguns desses mistérios. Talvez não de maneira óbvia. Talvez não da forma como nos prometem os filmes, livros e séries. Mas eles estão lá, e podem adotar diversas formas.

Adam, Libie e Samuel são ilustres desconhecidos. Crianças diferentes de tempos diferentes, com aparentemente nada em comum a não ser uma coisa: o lugar onde se conheceram. Um lugar fora do tempo, aberto a todos aqueles que não pertencem a nenhum outro lugar. Que contam suas histórias por entre as tendas coloridas e os espelhos do Observatório.

Se tiverem a oportunidade, cada um deles contará sua própria história. De onde vieram, por onde passaram e o que, afinal, os levou à Colônia dos Esquecidos.

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “A maldição da Lua Cheia”

Por Lançamentos Sem comentários

A lenda do Lobisomem teve origem na mitologia grega. Chegou à América Latina com a colonização e rapidamente passou a fazer parte das histórias locais, tornando-se um ser clássico do terror mundial com as produções para o cinema, que tiveram início com a produção de The Werewolf, o primeiro filme do gênero, lançado em 1913 pela Universal.

No folclore brasileiro, o lobisomem é sempre muito presente, possuindo algumas variações na lenda, como acontece com toda história contada de geração em geração. Em alguns locais, acredita-se que o lobisomem somente se transforma em uma encruzilhada, nas noites de lua cheia, de quinta-feira para sexta-feira. Em outras regiões, acredita-se que o sétimo filho, torna-se um lobisomem se não for batizado tendo como padrinho o irmão mais velho.

Apesar de algumas alterações, no geral, todas as histórias levam em conta que ao se tornar humano novamente, o lobisomem não lembra de seus atos enquanto lobo, e se você for atacado por um lobisomem e sobreviver, acabará se tornando um. Para acabar com a maldição, somente uma bala de prata para dar fim ao monstro.

Mesmo com o avanço da tecnologia, e com tempo dos “contadores de história” ficando pra trás, o lobisomem ainda causa medo nas pessoas e as histórias de novos ataques causados pela besta-fera seguem populares não só o imaginário popular como também à internet, em blogs e redes sociais.

Conheça algumas histórias clássicas de lobisomem que se passem no Brasil, inspiradas em histórias reais, contadas aqui e ali, seja no interior do país ou nas grandes capitais.

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Vampiros de Vera Cruz”

Por Lançamentos Sem comentários

Por mais que todo brasileiro conheça as histórias oficiais do descobrimento do nosso país, poucas pessoas sabem que em 22 de abril de 1500 a chegada da frota de Pedro Álvares Cabral não incomodou somente aos indígenas.

Os livros de história nos contam que a armada era composta por três caravelas e dez naus, mas e se eu lhes disser que havia uma quarta caravela, e que ela se perdeu da frota e foi encontrada somente quinze dias depois?

Em seu interior, somente os mortos. Corpos para todos os lados, em um cenário de luta e devastação. Os médicos da armada constataram que a maioria das vítimas apresentavam mordidas pelo corpo, mas o animal que as mordera não arrancara pedaços, como uma fera teria feito para se alimentar. Então o que seria aquela estranha criatura que havia matado quase todos os homens daquela caravela? Ah, sim. “Quase” todos os homens, pois alguns estavam desaparecidos. Teriam fugido para o mar e para a mata próxima ao perceberem que não tinham chances de vencer tal criatura? Ou teriam apenas se afogado?

O restante da frota estava amedrontada, mas nada poderia fazer, então apenas prosseguia seu rumo até o território de Ilha de Vera Cruz. Alguns dias depois, porém, os desaparecidos retornaram entre europeus e ameríndios, trazendo consigo uma implacável sede de sangue.

Os supersticiosos já conheciam as lendas dos vampiros, mas seu conhecimento de nada adiantava diante da fúria e da sede daqueles seres renascidos das trevas. Mas como eles eram de fato? Alguns pareciam apenas animais em busca do sangue que os alimentaria. Outros eram inteligentes, se misturavam, conversavam normalmente, encantavam suas vítimas e as ludibriavam até que praticamente entregassem o pescoço de bandeja.

De tantas histórias absurdas ouvidas na Europa, sabiam que somente a luz do sol poderia matá-los, e as únicas coisas que pareciam feri-los ou pará-los eram o crucifixo, a água benta, e uma estaca de madeira afiada cravada no coração.

Munidos desses objetos para atacar e se defender, europeus e índios — muitas vezes até trabalhando juntos — viveram tempos difíceis de trevas, morte e sangue. Ora caçando, ora sendo caçados.

Ah, não. Vocês não vão encontrar esses relatos em nenhum livro de história, pois os grandes historiadores os trataram como lendas e superstições, ou até como o ataque de uma enorme onça em alguma tribo.

E é por isso que aqui, nesse livro, nós vamos contá-las a vocês. Venham conhecer as histórias de temidos vampiros em terras tupiniquins em 1500.

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Uma noite em dezembro”

Por Lançamentos Sem comentários

Dizem que todos comemoram o natal, no entanto, apesar de todas as cidades estarem enfeitadas, shoppings e supermercados personalizados com as cores natalinas, cada um tem um ponto de vista diferente sobre a “noite feliz”. Para alguns, é um momento religioso, para outros um grande encontro em família.

Uns encarnam o espírito natalino e tratam a noite como a mais importante do ano. Outros veem a noite como apenas mais uma, indiferentes até mesmo aos apelos comerciais, enquanto uma parcela da sociedade vê o natal como uma noite infeliz.

Este livro reúne trinta e quatro perspectivas diferentes sobre o natal.

O livro está em processo de revisão, portanto, não possui ainda diagramação, porém terá uma média de 200 páginas, capa em brochura, triplex 300g, e miolo pólen de 80g. A obra possui edição de Alec Silva, revisão de Thais Rocha e projeto gráfico de Rodrigo Barros.

Parte da arrecadação será revertida em doações. Todos os profissionais envolvidos abriram mão de receber os valores devidos pelo projeto, para que o lucro sobre o financiamento coletivo possa ser usado como uma fonte de doações para o projeto NATAL SEM FOME.

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Palmares”

Por Lançamentos Sem comentários

O Quilombo dos Palmares foi um quilombo da era colonial brasileira, no estado de Alagoas. Este foi o mais emblemático dos quilombos formados no período colonial. Resistiu por mais de um século, e sua história transformou-se em um moderno símbolo da resistência à escravidão.

Os historiadores apontam que o primeiro registro existente sobre o quilombo remonta ao ano de 1597, mas existem teorias que afirmam que o quilombo pode ter surgido antes dessa data. Palmares foi crescendo ao longo do século XVII e acabou transformando-se no maior quilombo brasileiro, abrigando cerca de 20 mil habitantes.

O nome “Quilombo dos Palmares” faz menção ao fato de ele ter se desenvolvido em uma região que possuía muitas palmeiras, árvore importante na produção de ferramentas, na construção de casebres e que também fornecia alimento (palmito) aos quilombolas.

O primeiro rei de Palmares foi Ganga Zumba, filho de uma princesa do Congo. Sua liderança foi fundamental para organizar e resistir aos ataques externos. Zumbi assumiu como líder, cargo que ocupou até a destruição do quilombo em 1694. Dandara também se destaca como figura importante, ela foi esposa de Zumbi, dominava técnicas de capoeira, participava ativamente na elaboração de estratégias de resistência do quilombo e era a líder das forças femininas.

O livro “Palmares” traz contos de ficção, escritos por autores negros brasileiros, que se passam no quilombo abordando as vivências e desafios da época.

O livro está em processo de revisão, portanto, não possui ainda diagramação, porém terá uma média de 150 páginas, capa em brochura, triplex 300g, e miolo pólen de 80g.

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Excalibur”

Por Lançamentos Sem comentários

Quem nunca ouviu falar do lendário rei Arthur e sua espada Excalibur?

De origem romana e cristã, mas também com ascendência celta e druida, o jovem Arthur chegou ao trono, com ajuda do mago Merlin, que lhe presenteou com a espada mágica, tornando-se o Grande Rei de toda Bretanha para unir os povos e proteger a ilha das invasões saxônicas.

Tão lendários quanto o rei e sua espada são também seus companheiros: os cavaleiros da Távola Redonda. Encarnando o ideal da cavalaria medieval, os companheiros de Arthur se provaram valorosos não somente nas batalhas contra os invasores estrangeiros, mas também em toda sorte de aventura mágica: envolvendo dragões, bruxas, anões e tantas outras ameaças.

Essas são as aventuras narradas nos quase 30 contos da antologia “Excalibur”. Acompanhe Arthur, Lancelote, Galahad, Gawaine, Gareth e tantos outros cavaleiros da Távola Redonda, bem como as icônicas Morgana e Guinevere, enfrentando os mais diversos desafios fantásticos.

A antologia faz parte da coleção Contos de Fadas que já conta com as obras Contos de Fadas Sombrios e Ilha Esmeralda. O livro está em processo de revisão, tendo uma média de 200 páginas, e versão de luxo, com capa dura e miolo pólen de 80g.

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Os fabulosos contos de Grimm”

Por Lançamentos Sem comentários

Os fabulosos contos de Grimm reúne, na íntegra, os volumes Contos de Grimm e Novos Contos de Grimm , uma seleção de 21 contos selecionados e adaptados por Monteiro Lobato, nas décadas de 1920 e 1930, que buscou, através de seu jeito de escrever, contar e recontar algumas das mais belas e divertidas histórias de todos os tempos, que encantaram e ainda encantam pessoas do mundo inteiro, servindo de inspiração para produções literárias, teatrais e audiovisuais até os dias atuais.

Em uma edição revista e comentada, a Cartola Editora traz aos leitores brasileiros, de todas as idades, a magia das histórias coletadas pelos Irmãos Grimm, na prosa brasileira de um dos maiores escritores de nossa literatura infantojuvenil. Contos já consagrados como Branca de Neve , Rapunzel, A menina da capinha vermelha e Hansel e Grethel, se misturam com outros pouco conhecidos pelo público como As enteadas e os anões O Nariz de Légua e Meia A Água da Vida e Pele de urso, apresentando um painel de personagens humanos, animais e fantásticos originários do folclore alemão.

Apoie esse projeto!

Compartilhe: