Skip to main content
Tag

financiamento coletivo

Lançamento: “É também amor, amor”

Por Financiamentos No Comments

“É também amor, amor”, acompanha cinco histórias diferentes, que têm em comum o fato de celebrarem formas plurais de se pensar o amor. Os cinco contos selecionados para esta publicação foram escritos entre 2015 e 2021, acompanhando o processo de transição de gênero da autora; sendo, portanto, um relato de uma (de tantas) transformação de um jovem e inexperiente autor gay, em uma autora travesti de quase trinta anos. Focando em protagonistas que fogem dos padrões binários de gênero e de sexualidade, o livro é um convite lascivo, erótico e provocador a se (re)pensar a afetividade. Para além de romance LGBT+ ou literatura erótica.

A obra é um feitiço de abundância, afeto, uma semente que pretende semear em tempos tão difíceis, novas possibilidades de se pensar o amor.

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Cartas a Juliano”

Por Financiamentos No Comments

Cartas a Juliano: Reflexões filosóficas para uma vida contemporânea é um livro que traz questões da filosofia antiga e clássica para problemas do nosso século. Neste livro, dois amigos decidem tentar algo diferente, apenas pela diversão: trocar cartas em plena era de WhatsApp com a proposta de resgatar conversas mais profundas. Através destas cartas, o autor aborda problemas como boletos, paqueras no Tinder e LinkedIn, a queda no alcance das publicações nas redes sociais e a busca por propósito e pela felicidade, enquanto traça paralelos consistentes com autores estoicos (Epíteto e Sêneca), clássicos (Platão e Aristóteles), e a filosofia hermética através do Caibalion e das obras atribuídas a Hermes Trismegisto.

O livro é feito tanto para quem tem conhecimentos prévios de filosofia, quanto para quem nunca teve um contato mais próximo com ela. A combinação de bom humor e assuntos sérios leva, de forma leve, a reflexões profundas.

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Vikings”

Por Financiamentos No Comments

Um mundo nascido pelo gelo e pelo fogo gerou grandes guerreiros. Na congelada Escandinávia, navegar outros mares era a solução óbvia para a sobrevivência, garantindo assim, um lugar nos banquetes de Valhalla. Mas nem tudo girava em torno de guerras: a sociedade Viking era extremamente organizada e bem desenvolvida.

As expansões vikings foi o processo em que o povo viking navegou pelo Oceano Atlântico, chegando ao Norte da África e ao leste da Rússia, indo até Constantinopla e ao Oriente Médio. As expansões eram realizadas por saqueadores, comerciantes, colonos e mercenários, usando de diplomacia e, na maioria das vezes, a força bruta.

O que poucos sabem, é que liderados por Leif Ericsson, herdeiro de Érico, o Vermelho, os Vikings se aventuraram tão longe pelos mares que chegaram às Américas, na região de Terra Nova e Labrador, na costa do Canadá. Fundaram ali o vilarejo de L’Anse aux Meadows, e inicialmente conviveram em harmonia com a população indígena.

Leif Eriksson retornou à sua terra para buscar mais pessoas para viverem no recém-descoberto continente. No entanto, ao chegar em casa, soube do falecimento de seu pai, assumindo assim a responsabilidade pelo vilarejo de Brattahlid, na Groenlândia, e nunca mais retornou. Sem sua liderança, novos Vikings chegaram à América, e a convivência pacífica com os donos da terra teve seu fim.

A guerra tornou-se inevitável, e a população indígena invadiu e destruiu todas as casas do vilarejo. Pouca coisa restou do assentamento L’Anse aux Meadows, artefatos que foram descobertos em escavações realizadas em 1962, o que comprovou a chegada dos primeiros europeus à América.

Esta antologia traz histórias que retratam a aventura Viking em terras americanas.

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Santa muerte”

Por Financiamentos No Comments

Día de Los Muertos é uma celebração mexicana de origem indígena que honra os falecidos. Comemorado entre os dias 31 de outubro e 02 de novembro, é costume ir aos cemitérios visitar os túmulos dos entes queridos e preparar altares com alimentos, velas, flores e outros elementos.

Diz-se que somente nesses dias as almas podem voltar do além para estar perto dos seus familiares. Apesar da morbidez com que algumas culturas veem a morte, os Mexicanos celebram a vida dos seus ancestrais, fazendo festividades, por meio de oferendas e farturas de comida. Segundo conta a crença popular, nesses dias de celebração, os falecidos retornam além do túmulo. Ou seja, é a época do ano que os mortos visitam os vivos!

Por essa razão, os falecidos são recebidos com uma grande festa bastante decorada. É uma oportunidade de recepcioná-los em casa. As oferendas e os altares, montados nas residências, são uma forma de presenteá-los. A mesa de comida da casa é partilhada com eles, num gesto de celebrar a memória e a presença deles. Os cemitérios são alguns dos locais mais enfeitados, por se acreditar que suas almas saem das sepulturas durante o Día de los Muertos!

A antologia Santa Muerte traz contos de fantasia sombria que se passem durante a festividade do Día de Los Muertos.

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Nossos amores”

Por Financiamentos No Comments

Mais do que um livro de crônicas, o projeto nasceu com o intuito de ser uma grande co-construção, inspirada na icônica coluna Modern Love do New York Times.

Ao longo dos últimos anos, coletei histórias de amor de pessoas que me são muito próximas e queridas, para que juntos fossemos confidentes. Essas histórias estão divididas em duas grandes partes:

Na primeira – Meu primeiro amor – temos historias de primeiros amores, primeiros grandes amores e amores tão grandes que me fizeram sentir como se amasse pela primeira vez.

Na segunda – Meu último amor – trazemos histórias de partida, histórias de autoconhecimento, dos perrengues da vida de solteiro, e do amor familiar – que resiste a tudo e nos dá raízes para crescermos, florescermos e resistirmos às mais terríveis secas e tempestades.

Recebi tudo o que podem imaginar: de áudios de 5 minutos a 50 minutos, com vídeos, fotos, lágrimas e suspiros de pessoas que me deram essa oportunidade incrível de me conectar à sua intimidade e ter o prazer de transcrever um pedaço de suas vidas. Busquei alterar o mínimo das histórias, mudando nomes e cidades para que cada relato seja um segredo entre mim e quem o compartilhou.

Para mim, a parte mais divertida é ter a certeza de que, ao final desta obra, você sairá com a sensação de que a única história de amor impossível e irreal é aquela que não se persegue. Que a real beleza do amor, é a sua possibilidade de estar e se apresentar nas mais diversas formas.

Como recebi em um dos primeiros feedbacks sobre a obra, “eu não sei definir muito bem o que senti, sabe? Mas saí com alguma coisa boa e quentinha no coração”. Bom, isso é exatamente o que espero que cada uma dessas crônicas seja capaz de fazer por vocês.

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Futebol e Salsa”

Por Financiamentos No Comments

” — Becky, quando vai superar essa paixão pela Belle? Você é capitã do time de futebol e pode ter a garota que quiser!”

Essa aí me dando uma bronca é Vicky, minha melhor amiga. E a garota em questão é Isabelle Parker, a menina mais bonita da faculdade, pelo menos para mim. E por último, mas não menos importante, eu sou Rebecca LeBlanc, uma boba apaixonada, estudante de História em Yale e a capitã do time de futebol feminino.

Tudo parecia perfeitamente bem na minha vida, até eu ter a brilhante ideia de fazer aulas de salsa para conquistar a garota que gostava.

 

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Extraordinários”

Por Financiamentos No Comments

Os semideuses eram retratados como grandes heróis, responsáveis por feitos extraordinários e, quase sempre, aclamados pelos humanos. De acordo com a mitologia, semideuses são os seres gerados pelo relacionamento entre divindades e seres humanos, para o bem e para o mal, possuindo poderes quase ilimitados. Com o passar do tempo, passamos a chamar esses semideuses de super-heróis… ou supervilões.

Metade humanos e metade divinos, filhos de divindades gregas, nórdicas, egípcias, africanas, e de todos os outros panteões, descobrem os seus poderes na adolescência. E com grandes poderes vem a grande decisão: interferir ou não na história da humanidade, decidindo por viver de forma anônima, entre os outros mortais, ou por usar os seus poderes em favor da humanidade, ou ainda, em benefício próprio.

Em uma realidade alternativa, em que adolescentes aparentemente comuns e desajustados descobrem possuir superpoderes e, diferente do que imaginavam, serem filhos de uma divindade, como a nossa sociedade atual reagiria a isso? Religiosos, governos, exércitos e megacorporações? E como esses adolescentes agiriam possuindo superpoderes?

 

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “A floresta encantada de Tasmin”

Por Financiamentos No Comments

Ao longo dos séculos, a Floresta de Tasmin encontrou o equilíbrio e se viu livre das guerras que por muitos anos ameaçaram sua existência. O tratado de paz, assinado por todos os povos, permanece protegido no castelo do Príncipe Aillard. Elfos, anões, fadas e todos os seres da floresta encontraram uma maneira de coexistir.

No entanto, nem todos estavam felizes com o equilíbrio entre os reinos na floresta. A Rainha Maeve tentou por diversas vezes dar fim ao tratado de paz. Sem sucesso, fechou um acordo com os humanos para que, com o apoio de suas armas, pudesse tomar toda a Floresta de Tasmin. Antes, era preciso enfraquecê-la.

Com as orientações de Maeve, os humanos aprenderam que os unicórnios eram o espírito que mantinha a floresta protegida, com seus portais invisíveis aos olhos da humanidade. Somente os seres míticos da floresta poderiam entrar e sair de Tasmin.

Os unicórnios foram caçados, um a um foram mortos pelos humanos, até que restasse apenas um deles: Sitara.

O Príncipe Aillard juntou uma equipe mística para proteger Sitara e, assim, os portais da Floresta de Tasmin, aliando-se à elfa Rowena, à bruxa Verena, à fada Csilla, ao guerreiro Nakoa e ao anão Lorcán.

Seriam eles capazes de enfrentar a fúria da Rainha Maeve e de seus aliados humanos?

 

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Guerra Fria”

Por Financiamentos No Comments

A partir do encerramento da Segunda Guerra Mundial, o mundo testemunhou o início de um período de tensão geopolítica entre Estados Unidos e União Soviética, que durou entre os anos de 1947 e 1991. Esse período ficou conhecido como “Guerra Fria”, em razão de nunca ter ocorrido um ataque direto entre as superpotências, ainda que ambas estivessem em lados opostos em conflitos armados como a Guerra do Vietnã e a Guerra das Coreias.

A disputa pela influência política e ideológica caracterizou-se pelo desenvolvimento de um enorme arsenal nuclear, guerra psicológica, campanhas de propaganda, espionagem em missões da CIA e da KGB, embargos econômicos à Cuba, rivalidade olímpica e o avanço tecnológico que levou as superpotências à corrida espacial.

Inúmeras foram as experiências humanas ao longo das mais de quatro décadas em que o planeta foi assolado pela guerra indireta entre capitalistas e comunistas.

Esta antologia traz narrativas de espionagem, guerra e conspirações envolvendo as superpotências e os países em meio a essa disputa.

 

Apoie esse projeto!

Compartilhe:

Lançamento: “Guerra das sombras”

Por Financiamentos No Comments

Durante os anos de 1837 e 1901, a Inglaterra foi governada pela Rainha Vitória. O país viveu o auge da industrialização e viu a ascensão da classe burguesa. No entanto, enquanto um grupo acumulava riquezas, a classe trabalhadora era oprimida.

Dois grupos antagônicos de seres míticos acirravam ainda mais essas diferenças: vampiros e lobisomens. A maioria dos vampiros fazia parte da burguesia, enquanto os lobisomens estavam na classe trabalhadora.

A antologia “Guerra das sombras” traz histórias sobre os conflitos da luta de classes entre vampiros e lobisomens na era vitoriana.

Apoie esse projeto!

Compartilhe: