Skip to main content
Tag

Resistência

Amor é amor: mês do Orgulho LGBT+

Por Notícias No Comments

Todos os anos, durante o mês de junho, é celebrado o Orgulho LGBT+. A data faz referência à Rebelião de Stonewall, considerada o “marco zero” do movimento de igualdade civil da comunidade LGBT+ em todo o mundo.

O evento foi uma série de manifestações espontâneas contra uma invasão da polícia de Nova York, que ocorreu nas primeiras horas da manhã de 28 de junho de 1969, no bar Stonewall Inn, localizado no bairro de Greenwich Village, um dos poucos locais a abraçar a comunidade LGBT+ em sua época. Vários frequentadores foram agredidos e treze pessoas foram detidas, em meio ao protesto dos moradores da vizinhança.

Nos cinco dias seguintes, centenas de pessoas se reuniram para protestar nas redondezas do bar, contra a perseguição de policiais aos homossexuais. Um ano após o incidente, milhares de pessoas voltaram ao bar e fizeram a primeira marcha do Dia da Libertação. Anos depois, ela evoluiu para o mês do Orgulho LGBT+ que celebramos atualmente.

Desde sua fundação, a Cartola Editora sempre se posicionou em favor da igualdade de direitos e do respeito à diversidade. Para nós a literatura é também uma forma de resistência, como explica a editora Edilaine Cagliari:

“A arte tem sido, desde os primórdios, a forma que encontramos para eternizar, demonstrar, denunciar, questionar e mudar a realidade. Pra muitos é uma forma de luta contra apagamentos e em prol da visibilidade e pra mim tem sido essa a forma de lutar em tempos em que o apagamento das minorias acontece a olhos vistos, de forma crescente. Conquistas ameaçadas, décadas de evolução social que agora se tornaram frágeis.”

Responsável pela curadoria de obras LGBT+ da Cartola Editora, Edilaine comemora que, pouco a pouco, a editora publica cada vez mais obras voltadas à comunidade.

“É com orgulho imenso que, de mãos dadas com a Cartola Editora, recebo originais de pessoas que escrevem e não têm canais de publicação, seja por motivos financeiros ou censuras. Aqui, abraçamos projetos que se encaixam com nossas lutas, e os custos para publicação são pagos através de financiamento coletivo. Temas LGBTQIA+ são hoje 11% das publicações da editora, um número altíssimo para uma casa editorial não exclusiva deste tema. É trabalho, mas é propósito. É luta, mas é amor. Pra mim, é mais do que tudo isso, é cura.”

Para celebrar a data, faremos o sorteio da duologia Toda Forma de Amor!

Participe em nosso Instagram: https://www.instagram.com/cartolaeditora/

Conheça as obras LGBT+ disponíveis em nossa livraria:

https://livrariadacartola.com.br/categoria/livros/lgbt/

Compartilhe:

Lançamento do livro “(Re)Existência”

Por Financiamentos No Comments

O Dia da Consciência Negra é celebrado no Brasil no dia 20 de novembro. Esta data está inclusa na semana da Consciência Negra e tem como objetivo uma reflexão sobre a introdução dos negros na sociedade brasileira.

Foi escolhido como uma homenagem a Zumbi dos Palmares, data na qual foi assassinado, em 1695. Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, foi um personagem que dedicou sua vida lutando contra a escravatura no período do Brasil Colonial.

Em 2003, no dia 9 de janeiro, a lei 10.639 incluiu o Dia Nacional da Consciência Negra no calendário escolar. A mesma lei torna obrigatória o ensino sobre diversas áreas da História e cultura Afro-Brasileira. São abordados temas como: a luta dos negros no Brasil, cultura negra brasileira, o negro na sociedade nacional, inserção do negro no mercado de trabalho, discriminação, identificação de etnias e etc.

No mês da consciência negra, a Cartola Editora apresentou a antologia “(Re)Existência”, organizada pela autora Meg Mendes, composta por histórias tendo negros como personagens principais, onde falaremos de respeito, luta e igualdade, buscando a valorização das raízes de nosso povo, do orgulho e do poder das pessoas negras, reunindo histórias inspiradas na vida real, escritas por novos e já conhecidos escritores brasileiros negros.

A participação nesta antologia foi limitada aos escritores autodeclarados negros. Vale ressaltar que, de acordo com o IBGE, a categoria “negro” abrange pessoas pretas e pardas — nomenclaturas usadas pelo próprio instituto. Anunciado o resultado do concurso, chegou a hora de financiar a obra para que a mesma possa ser publicada!

O livro ainda está sendo diagramado, mas terá aproximadamente 150 páginas em papel pólen 90g/m2, com capa em brochura couché fosco 250g/m2 com orelhas de 6cm. Teremos ainda a versão em capa dura do livro, que será exclusiva para apoiadores desse projeto.

Apoie esse projeto!

Compartilhe: